Culto e Liturgia



ID: 2653

Culto - modelo litúrgico

Tema
Deus é fiel no cumprimento de suas promessas.

Ensaio
Hinos e cânticos litúrgicos desconhecidos aqui sugeridos precisam ser ensaiados antes do culto, de preferência nos encontros dos grupos da comunidade.

Informações técnicas
Caso haja necessidade, a comunidade deveria ouvir neste instante alguma informação técnica ou alguma explicação sobre questões específicas que necessitem de esclarecimento. Essas informações e explicações jamais deveriam ser dadas durante o culto.

LITURGIA DE ENTRADA
Chegada

Oração silenciosa individual
Feita por cada pessoa que vem para o culto. A formulação que segue é uma sugestão.

Deus eterno, tu nos chamaste para sermos membros de um só corpo. Quero ser parte deste corpo. Por isso, concede- me, na companhia de irmãs e irmãos em Cristo, a graça de ouvir tua Palavra e de receber-te no sacramento da Ceia. Amém.

Sino

Prelúdio

Acolhida
L fica em pé, atrás da estante de leitura. Para o momento da Acolhida,
L também poderia posicionar-se num espaço informal, na frente da mesa da comunhão, bem próximo da comunidade.

L (versículo de entrada) “Hoje saberás, e refletirás no teu coração, que só o Senhor é Deus em cima no céu, e embaixo na terra; nenhum outro há” (Dt 4.39). Este é o nosso Deus. E ele é fiel no cumprimento de suas promessas. Eis a boa nova do Evangelho!

Desejamos as boas-vindas a vocês...

Hino
C (HPD 332) Deus está aqui.
De pé (Quem preside a liturgia convida a comunidade para essa ação com um gesto. Nele também deveria estar implícita a informação de que “levantam aquelas pessoas que puderem”, sem que seja necessário destacar isso explícita e recorrentemente. A comunidade precisa ser instruída para conhecer esse gesto que indica “de pé” e “sentar”. Proferir essa instrução seguidamente transforma-se em ruído que atrapalha.)
.
Saudação Apostólica
(Ou Voto inicial)
L falará da estante de leitura
L Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo.
C Amém.
L O nosso socorro vem do Senhor
C que fez o céu e a terra.
Ao Voto inicial pode-seguir a recitação do Salmo do dia, que culmina com o Gloria Patri (cantado ou falado).

L A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vocês.
C E com você também.

Confissão de Pecados
L (costura) Confessemos os nossos pecados. (Breve pausa)
Trino Deus, tu és Deus fiel. Cumpriste tuas promessas, desde Abraão e Sara até nossos dias. Nós, porém, duvidamos dessa fidelidade. Nossa fé é fraca. Perdoa-nos, Senhor, todos os nossos pecados.
C (canta) Perdão, Senhor, perdão!

Anúncio da graça
L “Se dissermos que não temos pecado nenhum, a nós mesmo nos enganamos, e a verdade não está em nós. Se confessarmos os nossos pecados, Deus é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” (1 Jo 1.8-9).

Em virtude do Anúncio da graça segue um hino de louvor (Se entoado, que seja logo após o Amém, sem outros comentários (“ruídos”).

C (HPD 213)
Senhor, tu tens sido.
Ou
Absolvição
Em lugar do Anúncio da graça pode vir a Absolvição, como segue.

L Em vista da vossa confissão e confiando na promessa do perdão de Deus, vos declaro, como ministro/a ordenado/ a da Igreja, o perdão dos vossos pecados: em nome do Pai (+), e do Filho, e do Espírito Santo.
C Amém
(Convém lembrar às comunidades que o Amém equivale à assinatura de um documento. No caso, expressa a concordância da comunidade com o conteúdo da oração. Por isto, ela sempre deveria pronunciá-lo.)
.
C (HPD 263) Bendirei ao Senhor em todo tempo.
(Sentar)

Kyrie
L (costura) São muitas as pessoas que, perto e longe de nós, sofrem. Há muita dor, tristeza, exclusão. Por ser fiel, Deus escuta o seu povo. Porque cremos que Deus escuta esse clamor, unamos nossas vozes a todos esses irmãos e irmãs, e roguemos pela compaixão do Senhor.
C Kyrie eleison
(Entoar uma das melodias deste refrão. Ex.: Coleção Miriã I (CM), n. 8-15.)

L Pela paz que vem do alto e a salvação dos oprimidos, clamemos ao Senhor.
C Kyrie eleison.
L Pelas multidões desamparadas, com fome, sem lar, sem trabalho, clamemos ao Senhor.
C Kyrie eleison.

L Pelas pessoas que sofrem por se sentirem odiadas, rebaixadas, excluídas, desvalorizadas, clamemos ao Senhor.
C Kyrie eleison.
L Por graça socorre-nos, Senhor!
C Amém.

Gloria in excelsis
L (costura) Deus é fiel. Ele escuta o clamor do seu povo e vem na sua Palavra e na sua Ceia. Por esta boa notícia nós o louvamos.
C (HPD 86) Somente a Deus no céu louvor

Oração do dia.
L Oremos.
Deus de amor, que conduziste teu povo e, em Jesus, cumpriste tua maior promessa, nós te pedimos, sê fiel e misericordioso conosco, fortalece nossa fé para que confiemos em tua presença no meio de nós. Por Cristo Jesus, que contigo e com o Espírito Santo reina de eternidade a eternidade.
C Amém.

LITURGIA DA PALAVRA
Leituras Bíblicas
As leituras bíblicas são feitas a partir da estante de leitura.
L (costura)
A palavra de Deus é orientação no caminho da vida. Por isso a ouvimos com devoção.

Cântico intermediário
C (canta) Senhor, que tua Palavra transforme a nossa vida.
Primeira leitura
L
A primeira leitura bíblica, conforme o livro de Deuteronômio 4.32-34 e 39-40 (segue a leitura).

Recitação do Salmo
L
Louvemos a Deus com o Salmo deste domingo.
L Exaltar-te-ei, ó Deus meu, e Rei;
C bendirei o teu nome para todo o sempre.

Todos os dias te bendirei,
e louvarei o teu nome para todo o sempre.

Grande é o Senhor e mui digno de ser louvado;
a sua grandeza é insondável.

Uma geração louvará a outra geração as tuas obras,
e anunciará os teus poderosos feitos.

Meditarei no glorioso esplendor da tua majestade,
e nas tuas maravilhas.

Falar-se-á do poder dos teus feitos tremendos,
e contarei a tua grandeza.

Divulgarão a memória da tua muita bondade,
e com júbilo celebrarão a tua justiça.

Benigno e misericordioso é o Senhor,
tardio em irar-se e de grande clemência.

O Senhor é bom para todos,
e as suas ternas misericórdias permeiam todas as suas
obras.

Todas as tuas obras te renderão graças, Senhor; e os teus santos te bendirão (Sl 145.1-10 - Recitação sugerida por Ilson Kayser, Falai entre vós com Salmos, São Leopoldo: Sinodal, 2001).
C (canta ou fala o Gloria Patri) Glória seja ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, como no princípio, agora e sempre, e por todos os séculos. Amém.

Segunda leitura
L
A epístola para este domingo, conforme 1 Coríntios 13.11-13 (segue a leitura).
Leitura do Evangelho
L
Aclamemos o Evangelho cantando
(É preciso acalentar o sonho de que chegará o dia em que essa frase será dispensável. Ou seja, um dia a comunidade saberá, por causa do conhecimento que terá do rito, que “agora, após a leitura da Epístola, a comunidade ouvirá a leitura do Evangelho. Por isso ela levanta”, sem que haja a necessidade de falar “Aclamemos o Evangelho, cantando”. Enquanto aguardamos a chegada desse dia, necessitamos fazer este convite expresso.)

(De pé)
C
Aleluia
(Entoar o Aleluia conforme melodia conhecida pela comunidade. Ex.: CM, n. 18-22.)

L (versículo de aclamação (Proclamar Libertação: auxílios homiléticos, São Leopoldo: Sinodal, 1989, v. XV, p. 318-333, oferece os versículos de aclamação para cada domingo.) “Mas, de fato, Cristo ressuscitou dentre os mortos, sendo ele as primícias dos que dormem” (1Co 15.20).
C Aleluia.
L (Anúncio do Evangelho) O Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo segundo Mateus 28.16-20.
Leitura.
L
(ao final) Palavra do Senhor.
C (canta) Louvado sejas, Cristo.
(Sentar)

Pregação
(O texto da prédica, conforme a leitura de Deuteronômio, aborda os aspectos da fidelidade de Deus no cumprimento de suas promessas. Mostra a preocupação de um líder que quer conduzir o povo em obediência ao Deus que é único e verdadeiro. É o Deus libertador, que tirou o povo da opressão de Faraó, o Deus que acompanhou seu povo pelo deserto, até a entrada na terra prometida. Moisés cumpriu sua missão. Conduziu Israel do Egito às fronteiras da terra prometida. Agora que o tempo de sua morte chegou, ele resume, perante a nova geração, numa série de discursos, a história passada de Israel. Exorta a recordar o amor de Deus durante as jornadas no deserto. Ao mesmo tempo, convida a continuar confiando em seu cuidado quando da entrada em Canaã. Admoesta a observar a lei a fim de prosperarem. Lembra-lhes suas apostasias e rebeliões passadas. Adverte para as conseqüências da desobediência a Deus.)
(baseada no texto de Deuteronômio).

Hino
C (HPD 456) Deus é meu amparo.
(De pé)

Confissão de Fé
L (costura) Na comunhão com as pessoas que crêem no trino Deus, confessemos nossa fé.
C Creio...
(Sentar)

Ofertas
(Considerar sugestão abaixo, na motivação para o Ofertório e o Preparo da mesa.)
Para motivar a comunidade a ofertar.
L (costura)
O que Deus fez e faz por nós anima para atos de solidariedade. Podemos expressar a solidariedade através das ofertas em dinheiro. Com elas ofertamos parte do fruto do nosso trabalho para o serviço na seara do Senhor. As ofertas deste culto destinam-se para (indicar a destinação). Enquanto as ofertas são recolhidas, cantamos:
C (canta (Sugestões: CM, n. 24, 26.)

Avisos
Neste momento do culto comunica-se somente aquilo que é motivo para ser incluído na Oração geral da Igreja.

Oração geral da Igreja
(com agradecimentos e intercessões)
Normalmente a comunidade se levanta para este momento. Mas também convém avaliar a possibilidade de ela ficar sentada. Pode favorecer maior compenetração para orar.

L Oremos.
Deus da fidelidade: tu cumpres tuas promessas. Por isto, agradecemos:
C (canta) Graças, Senhor! Graças, Senhor! Por tua bondade, teu poder, teu amor: Graças Senhor!

L Porque és Deus fiel, podemos confiar em tua Palavra, como fizeram Abraão, Sara, Moisés e os profetas. Por isto, agradecemos:
C (canta) Graças, Senhor!...
Outros motivos de gratidão podem ser apresentados.
Depois, seguem as intercessões.

L Pela Igreja, seus líderes e suas comunidades, para que sejam fiéis na tarefa de anunciar o Evangelho, oremos ao Senhor:
C (canta) Ouve nossa oração e atende nossa súplica.

L Pelas autoridades civis, para que entendam seu cargo como serviço e governem para transformar as situações de escravidão, oremos ao Senhor:
C (canta) Ouve nossa oração e atende nossa súplica.
Outras intercessões da comunidade local podem ser apresentadas.

L (conclusão) Nosso Deus, tu que conheces os nossos pensamentos e sentimentos, ouve também as súplicas que ficam no silêncio do nosso coração, por Jesus Cristo, nosso Salvador.
C Amém.
Caso tenha levantado, a comunidade senta.

LITURGIA DA CEIA DO SENHOR
Preparo da mesa e Ofertório
A partir deste momento L posiciona-se atrás da mesa da comunhão
(altar).

Para a condução da liturgia daqui em diante, é preciso decidir – a partir do perfil da própria comunidade – sobre os momentos de sentar e ficar em pé. Evitem-se os longos períodos em pé. Sugere-se, por isto, que a comunidade seja convidada a levantar-se para a Oração eucarística, ou somente a partir do Pai-Nosso.

L (costura) Deus sempre é fiel. Por isto é que confiamos na sua presença em nossa vida. Ele está entre nós, nos congrega, nos reconcilia, nos conforta. Experimentamos essa presença de Deus na Ceia do Senhor. Por isto, preparemos a mesa da comunhão.

Enquanto o pão, o vinho (suco) e as ofertas (preferencialmente recolhidas neste momento) são trazidos, cantemos:
C (canta)
Tudo vem de ti, Senhor.

Depois que as ofertas e os elementos para a Ceia do Senhor estiverem sobre a mesa:

Oração do ofertório
L Oremos. Nós te louvamos, Deus da fidelidade, por tua generosidade: pela terra, pelo sol e pela chuva, pelo trabalho e pelos dons para te servir. Em gratidão a ti colocamos em tuas mãos parte do que nos deste. Que estas ofertas sirvam para o bem-estar das pessoas que as receberem.

C Louvado sejas para sempre. Louvado sejas, Deus fiel, pelo pão e pelo vinho (suco), frutos da ampla e generosa natureza que alimenta teus filhos e tuas filhas. Dá que este pão e este fruto da videira sejam recebidos por nós, nesta Ceia, como comida e bebida da salvação em Cristo Jesus.
C Amém.

Oração Eucarística
L (Diálogo) O Senhor esteja com vocês.
C E também com você.
L Vamos elevar os nossos corações a Deus.
C Ao Senhor os elevamos.
L Demos graças ao Senhor, nosso Deus.
C Isso é digno e justo.

L (Prefácio) É justo e do nosso dever que, em todos os tempos e lugares, te rendamos graças, ó Deus, pois és Deus fiel para conosco. Jamais deixaste de cumprir uma única promessa. Deste-nos a salvação através de teu Filho Jesus Cristo. Por tudo isso, nós te agradecemos, te louvamos e te adoramos:
C (Sanctus - HPD 125,1) Santo, santo, santo!

L (Anamnese) Graças te damos, Deus fiel, porque, alegres, podemos nos reunir ao redor desta mesa para receber o benefício do que Cristo fez por nós. Conforme tua promessa, ele nasceu, viveu e anunciou um novo tempo. Sua fidelidade lhe custou a vida, mas ele ressuscitou, está do teu lado e julgará vivos e mortos.
C Ele veio nos salvar.

L (Narrativa da instituição) Ele veio nos salvar por meio de seu sacrifício, pois, na noite em que foi traído, Jesus tomou o pão e, tendo dado graças, o partiu e disse: Isto é o meu corpo, que é dado por vós; fazei isto em memória de mim (breve pausa). Por semelhante modo, depois de haver ceado, tomou também o cálice, dizendo: Este cálice é a nova aliança no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que o beberdes, em memória de mim.
C (canta Pode ser falado) Jesus, tua morte anunciamos nós. Louvamos tua ressurreição. Até que venhas com teu poder.

L (Epiclese) Deus fiel, derrama sobre nós o Espírito Santo, o Espírito que dá vida, cria comunhão e nos torna um só corpo. Dá que, partilhando este pão e bebendo do cálice da comunhão, possamos viver a partir de tua promessa em nossa vida diária e dar testemunho de tua fidelidade.

C (canta) Envia teu Espírito, Senhor, e renova a face da terra.

L (Mementos) Lembra-te, ó Deus, de todas as pessoas que já partiram desta vida, teus filhos e tuas filhas, nossos irmãos e irmãs na fé, entre as quais estão familiares e pessoas amigas nossas. Reúne-nos com elas na mesa do banquete do Reino prometido, e por Cristo inaugurado.
C (canta Doxologia) Por Cristo, com Cristo e em Cristo.

Pai Nosso
Recomenda-se estimular a comunidade para orar de mãos dadas.
L
Pai nosso...

Gesto da Paz
L (costura) Ao cumprir suas promessas, Deus nos revela seu poder e seu amor. Ele é a nossa paz. E é por isso que podemos nos aceitar mutuamente, ainda que sejamos diferentes. Em Cristo somos um. Saudemo-nos com um abraço ou um aperto de mão, dizendo: “A paz de Cristo
seja contigo”.
Durante o Gesto da paz pode-se tocar uma música pertinente (Sugestão: CM, n. 32)
.
Fração
Sem outros comentários, depois do Gesto da paz, L levanta (Essa ação de levantar (o cálice e, depois, o pão) visa apresentar os elementos da Ceia do Senhor para que toda a comunidade os enxergue. Sobre cada um também pode ser feito o sinal da cruz.) o cálice consagrado e diz:
L
O cálice, pelo qual damos graças, é a comunhão do sangue de Cristo.
Levanta a pátena (prato) com o pão, que pode ser fracionado neste instante, e diz:

L O pão, pelo qual damos graças, é a comunhão do corpo de Cristo.

Cordeiro de Deus
(HPD 49; HPD 370, 371; Tear – Liturgia em Revista, São Leopoldo, v.8, p. 7, agosto 2002.)
C (canta Também pode ser falado)
Nós, embora muitos, somos um só corpo.
Apontando para os elementos pão e cálice, de preferência mostrando os de forma bem visível à comunidade:

L Este é o Cordeiro de Deus.
C (HPD 371) Cordeiro de Deus.

Comunhão
L Venham comungar, pois tudo está preparado. O Deus fiel convida
(Como Igreja aberta para a ecumene, convém afirmar de forma expressa e afável que todas as pessoas que crêem no mistério da presença real de Cristo na Ceia do Senhor são convidadas para essa comunhão.)

Durante a comunhão pode-se cantar ou executar música apropriada.

Oração pós-comunhão
L Graças te damos, ó Deus, porque vieste a nós nesta Ceia, que nos fortalece. Dá que esta comunhão nos ajude a crescer na fé e no amor. Concede que saiamos daqui animados e animadas, para viver conforme tua Palavra em nossa vida pessoal, familiar e comunitária, confiantes em tua promessa de que sempre estás conosco. Por Cristo, teu Filho amado, nosso Senhor.
C Amém.

LITURGIA DE SAÍDA
Avisos gerais

Hino

C (HPD 438) Quando se abate a esperança.

Bênção
A partir deste momento L posiciona-se novamente atrás da estante de leitura.

Para receber a bênção, a comunidade levanta. Pode-se sugerir que as pessoas fiquem de mãos abertas, voltadas para cima (atitude de quem recebe algo).

L O Senhor te abençoe e te guarde; o Senhor faça resplandecer o seu rosto sobre ti, e tenha misericórdia de ti; o Senhor sobre ti levante o seu rosto e te dê a paz.
C Amém.

Envio
Pode-se recomendar que as pessoas se dêem as mãos para este envio. Afinal, o culto cotidiano acontece na certeza de que não se está só, mas que se é parte de um corpo, cuja cabeça é Cristo.

L Deus nos acompanha. Nisto podemos confiar. Vão em paz e sirvam ao Senhor com alegria.
C Demos graças a Deus.

Poslúdio

Oração silenciosa de saída

Sino

Fonte: Livro de Culto da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil
- Portal Luteranos 


AÇÃO CONJUNTA
+
tema
vai_vem
pami
fe pecc

Como um perfume que se espalha por todos os lugares, somos usados por Deus para que Cristo seja conhecido por todas as pessoas.
2Coríntios 2.14
REDE DE RECURSOS
+
Mesmo que não sejamos cristãos tão bons como deveríamos ser, e somos ignorantes e fracos tanto na vida como na fé, Deus ainda assim quer defender a sua Palavra, pela simples razão de ser a sua Palavra.
Martim Lutero
© Copyright 2018 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br